Ajuda humanitária: aeronave da FAB transporta remédios nesta quarta-feira para o Haiti

QUATRO toneladas de medicamentos, luvas, pastilhas de purificação de água e outros materiais de prevenção à cólera e atendimento a enfermos no Haiti serão embarcados em Brasília, nesta quarta-feira (27/10), às 13h, em voo de uma aeronave C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB), procedente do Rio de Janeiro. O envio da ajuda humanitária foi autorizado pelo Ministério da Defesa, atendendo a solicitação do Ministério da Saúde.

A aeronave da FAB que levará ajuda humanitária faz voos regulares ao Haiti com o objetivo de levar suprimentos para o Batalhão Brasileiro naquele país. Desta vez, porém, tendo em vista a urgência da solicitação, o Ministério da Defesa determinou que fosse dada prioridade ao embarque da carga encaminhada pelo Ministério da Saúde para o atendimento da população haitiana.

Ao mesmo tempo em que o Governo brasileiro envia ajuda para o combate à cólera no Haiti, o contingente d e e militares brasileiros presentes naquele país vem adotando uma série de medidas para evitar o risco de contaminação das tropas.

Entre as medidas adotadas, as tropas que compõe os Batalhões 1 e 2 (Brabatt 1 e 2) e a Companhia de Engenharia vem ampliando a higienização das dependências dos quartéis e redobrando os cuidados com a purificação da água. As mesmas medidas também vem sendo adotadas nas áreas de atuação das tropas em Porto Príncipe, capital do País.

 

LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!!!

 

A FUGA do Danilo

(Um piloto brasileiro atrás das linhas inimigas)

Armando de Sousa Coelho

 

ENTRE os gaúchos do 1º Grupo de Caça na Itália havia um todo especial. Um tipo diferente, ímpar por suas atitudes e reações, completamente despido de maldade, simplório na sua maneira de ser, sem inibições. Enfim, uma figura simpática, apesar de sua barba espessa, que azulava ao sol e parecia estar sempre por fazer. Embora muita gente não concorde comigo, era inteligente e vivo, mas recusava-se terminantemente a pensar durante muito ou mesmo pouco tempo, falando, por isso, de um modo todo peculiar, o que o tornou muito popular entre os fazedores de anedotas, que por sinal, foram muitas a seu respeito. Usava o “dialeto” gaúcho com perfeição, e até mesmo exagerava, diziam muitos… Tudo isso, mais outras coisinhas, e finalmente a sua fuga – o que contrariou todas as regras do bom senso, especialmente o dos técnicos no assunto -, tornaram-no personagem muito mais importante, pois passou da anedota para a “ópera”. Sim, uma “ópera” inédita aos estranhos ao Grupo, em que os poetas do 1º Grupo de Caça “imortalizaram” – para uso interno – os feitos daquele gaúcho de Cachoeira do Sul. É deste “pração” que ocuparei nesta história, que a muitos parecerá mais uma anedota, mas que é a pura verdade.

Num dia de inverno, ensolarado, mas bastante frio, com a neve ainda cobrindo o Norte da Itália, ele saiu para mais uma missão com sua esquadrilha. Estivemos juntos pouco antes, enquanto fazia os últimos preparativos para voar. Estava bonito, bem uniformizado, barbeado com um capricho até mesmo desnecessário, pois sua barbeado com um capricho até mesmo desnecessário, pois sua barba azulada ficaria oculta, de qualquer jeito, pela máscara de oxigênio. Ora! Afinal, ele era todo especial. Parecia pronto para ir ao encontro da “buona sera”. Vestiu sobre o fardamento caprichado, o macacão de vôo, forrado de tecido peludo e quente, próprio para grandes altitudes, começando a transpirar imediatamente, o que mais realçava o azul de sua barba. Aquela indumentária era realmente muito quente. Conversamos ainda um pouco. Partiu. E nessa manhã… ele não regressou! Foi abatido muito ao norte de nossa base. Ninguém soube exatamente o que acontecera. Ouviram-no dizer, pelo rádio, que ia saltar de pára-quedas.

Devido à missão de que se ocupava na ocasião – metralhamento de composições ferroviárias num entroncamento fortemente defendido –, devia ter saltado a baixa altura, o que não encorajava a prognósticos muito otimistas acerca de sua “caveira”. Sentiu-se a falta do gaúcho, mas a guerra continuava, e se não tivesse sido ele seria um outro qualquer de nós. Não havia tempo para lamentações. Talvez por respeito, por sentimento, ou qualquer outro motivo, suas anedotas não eram mais contadas, mas lembradas com um cunho de saudades. Sua voz estridente não era mais ouvida na garagem, e penso mesmo que os praças que comandava sentiram a falta de suas ordens aparentemente gritadas, na maneira características que todos gozavam. Ele não voltou naquela manhã de inverno. O que teria acontecido? Era a dúvidas de todos. Os dias se passaram e logo o pessoal se conformou, e a alegria foi até maior quando da sua volta, após sua fuga excepcional, que só ele mesmo conseguiria realizar com êxito.

a continuar…

 

LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!!!

HAAF HOMENAGEIA médicos, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais

 

O Hospital de Aeronáutica dos Afonsos (HAAF) comemorou o dia do Médico (18/10) e o dia dos Fisioterapeutas e dos Terapeutas Ocupacionais (13/10) com um almoço de confraternização. Durante a homenagem, o diretor do HAAF, Coronel Médico Roberto Teixeira, lembrou que a atividade do médico implica dedicação, sacrifícios e desprendimento, aproveitando a oportunidade para agradecer a todos pelo empenho, responsabilidade e comprometimento com o hospital.

(Matéria transcrita do Portal institucional do Comando da Aeronáutica, http://www.aer.mil.br, em 21out.2010).

 

 

 

RESPONDE, se és inteligente

RECEBI pela internet e completei com dados do meu arquivo. Há tantas questões neste mundo que nos intrigam pela vida inteira e mais 6 meses. Perguntas sem resposta, que insistem em desafiar continuamente nossa inteligência. Tu, por exemplo, que estás aí do outro lado da tela, nunca ouviste aquela clássica pergunta ‘Quem nasceu primeiro: o ovo ou a galinha?’. Pois é, idêntico mistério encerram as indagações adiante postadas. Então, se és inteligente dá-me as respostas …

COMO se escreve ‘zero’ em algarismos romanos?
Por que os Flintstones comemoravam o Natal se eles viviam numa época antes de Cristo?
Por que os filmes de batalha espaciais têm explosões tão barulhentas, se o som não se propaga no vácuo?
Se depois do banho estamos limpos, por que lavamos a toalha?
Como é que a gente sabe que a carne de chester é de chester se nunca ninguém viu um chester? (vc já viu um chester?)
Por que quando aparece no computador a frase ‘Teclado não  instalado’, o fabricante pede p/ apertar qualquer tecla?
Se os homens são todos iguais, por que as mulheres escolhem  tanto?
Por que a palavra ‘grande’ é menor do que a palavra pequeno’?
Por que ‘separado‘ se escreve tudo junto e ‘tudo junto’ se  escreve separado?
Se o vinho é líquido, como pode existir vinho seco?
Por que as luas dos outros planetas têm nome, mas a nossa é  chamada só de lua?
Por que quando a gente liga para um número errado nunca dá ocupado???
Por que as pessoas apertam o controle remoto com mais força, quando a pilha está fraca?
O instituto que emite os certificados de qualidade ISO 9002 tem qualidade certificada por quem?
Quando inventaram o relógio, como sabiam que horas eram,  para poder acertá-lo?
Se a ciência consegue desvendar até os mistérios do DNA, porque ninguém descobriu ainda a fórmula da Coca-Cola?
Como foi que a placa ‘É proibido pisar na grama’ foi colocada lá? (desculpa-me pelo erro de portuguêis!).
Por que, quando alguém nos pede que ajudemos a procurar um objeto perdido, temos a mania de perguntar: ‘Onde foi que você perdeu?’?
Por que tem gente que acorda os outros para perguntar se estavam dormindo?
Se o Pato Donald não usa calças, por que ele amarra uma toalha na cintura quando sai do banho?
Quem é o centroavante do ataque cardíaco?
Quem tem a chave da prisão de ventre?
Quem assassinou o mar morto?
Por que cueca se chama cueca e não paueca?
SAIBAS que só vou responder …
quando o sargento Garcia prender o Zorro;
Quando vampiro doar sangue; ou ainda
Quando o saci cruzar as pernas; ou
Quando o poste mijar no cachorro.
E QUEM souber, ganha um carro mobiliado com uma casa na garagem.
AGORA, falando sério. O texto acima foi somente para descontrair, que ninguém é de ferro. Mas, se és inteligente, presta bastante atenção na seguinte mensagem:
PROCURA-SE …
“JESUS de Nazareth, galileu, aproximadamente 33 anos, pele morena, barba e cabelos estilo ‘hippy’, cicatrizes nas mãos e nos pés. Frequentemente é visto entre leprosos, mendigos, perseguidos, e sempre acompanhado por um grupo de doze incondicionais seguidores. Escandaliza as massas com frases tão revolucionárias como:  ‘Amem-se uns aos outros’ e ‘Perdoa a teus inimigos’. Se O encontrares …
Segue seus passos”.

NAS ASAS da Solidariedade

A FORÇA AÉREA Brasileira iniciou uma operação de ajuda humanitária às vítimas da seca na Região Amazônica. A ação inclui o transporte de alimentos, medicamentos e kits de higiene arrecadados pela Defesa Civil do Amazonas para os municípios atingidos pela estiagem.
Ao todo, serão transportados cerca de 600 toneladas de mantimentos para os pólos de recepção da Defesa Civil nos municípios de Tabatinga, Cruzeiro do Sul e Tefé.
Até esta quarta, a FAB já levou 338 toneladas, empregando duas aeronaves C-130 Hércules (1°/1° GT e 1° GTT) e dois C-105 Amazonas do 1°/9° GAv, num esforço aéreo de aproximadamente 150 horas.

A Operação Seca deve continuar até o dia 16 de outubro, minimizando problemas para cerca de 40 mil famílias do interior do Amazonas, cujos municípios que já se encontram em estado de emergência.

(Matéria extraída do Portal do Comando da Aeronáutica – http://www.fab.mil.br).
OUTRO GOLAÇO:
A CASA, que tinha móveis, fotos e histórias, foi inundada. A criança, que brincava de sonhos simples, reconheceu o pesadelo na superfície. Os adultos, que trabalhavam na terra ou iam de carroça até mais adiante, avistaram a desesperança numa onda forte e permanente. Os olhos de todos eles não enxergavam mais nada. Eram apenas espelhos retorcidos da água que corria, corria mesmo, em barulho devastador, lá embaixo. Como em uma tsunami, a destruir bem mais do que as paredes, a carregar olhares perdidos. Janelas também submergiram. São pelas janelas que se olha para o mundo. Apoiados em telhados ou em galhos de árvores, os olhares, em dor, acostumaram-se também a observar o céu. Não só para pedir clemência às nuvens, mas também por saber que ajuda poderia vir dos ares. Os rotores dos helicópteros ajudaram a mudar o som da tragédia. Em Pernambuco e Alagoas, as enchentes resultaram, no final de junho, em pelo menos 41 mortes, 115 mil desabrigados, 24 cidades em estados de calamidade pública e tantos outros desespero incontáveis. Atuações de militares e civis ajudaram a minimizar a dor de tanta gente.
A PARTIR do momento seguinte às cheias, a FAB empregou meios de vários locais do País, criando um corredor aéreo humanitário que atuou na urgência para resgatar 94 pessoas e depois na atuação com as consequências da enchente. Os profissionais de saúde da Aeronáutica já haviam atendido mais de três mil pessoas. Segundo os médicos, entre os assistidos destacam-se crianças e vítimas de cortes nas pernas e nos pés.

ALÉM deles, tripulações de diferentes esquadrões participaram do transporte de alimentos e remédios para cidades completamente isoladas com a destruição de acessos terrestres. Os militares, como havia ocorrido em Santa Catarina (2008), no Maranhão e no Piauí (2009), entregaram-se completamente à causa. Eles ficaram impressionados com a situação e não esquecerão o rosto das pessoas. “Só quem passou por lá e colocou a bota naquela lama é que pode dizer qual foi o sentimento e a dor que eles tiveram”, disse o Comandante da Operação, Major-Brigadeiro-do-Ar Hélio Paes de Barros Júnior.
(extraído do NOTAER nº 10, ano XXXIII, de 15jul.2010)

COMENTÁRIO do autor:
MUITO me orgulham ações humanitárias como essas, em duas regiões menos desenvolvidas deste meu Brasil.

Este escrevinhador pessoalmente já presenciou tantas ações como essas ao longo de sua carreira na Aeronáutica. É muito salutar que a sociedade brasileira como um todo soubesse do quanto colaboram nossas Forças Armadas, gente laboriosa e solidária, em favor das pessoas menos favorecidas, mormente em momentos dolorosos como os que castigaram nossos irmãos de Alagoas e Pernambuco, e agora gente da minha Amazônia.
LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!