SEJA oficial engenheiro

O SERVIÇO MILITAR TEMPORÁRIO

SERÁ REALIZADO por meio da participação no Estágio de Adaptação Técnico (EAT) ou no Estágio de Instrução Técnico (EIT) de cidadãos brasileiros, de ambos os sexos, graduados em Engenharia, em áreas necessárias ao Comando da Aeronáutica, que atendam às condições e às normas estabelecidas no Aviso de Convocação deste Processo Seletivo.

SITUAÇÃO APÓS A INCORPORAÇÃO

Os candidatos selecionados e incorporados serão nomeados Aspirantes a Oficial do Quadro de Oficiais da Reserva de 2ª Classe Convocados (QOCon) ou serão incluídos no citado Quadro, com a patente que já possuem na Reserva não Remunerada das Forças Armadas, de acordo com as condições estabelecidas no Aviso de Convocação.

O Quadro de Oficiais de Oficiais da Reserva de Segunda Classe Convocados (QOCon) destina-se a preencher, em caráter temporário, em tempo de paz, claros existentes na estrutura das OM, porventura não supridos pelos Quadros de Oficiais de carreira, pertinentes às áreas profissionais de nível superior necessárias ao COMAER.

A FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

O presente Processo Seletivo dar-se-á de acordo com o estabelecido no Aviso de Convocação, tendo por fundamento a Lei nº 4.375, de 17 de agosto de 1964 (Lei do Serviço Militar); a Lei nº 6.880, de 9 de dezembro de 1980 (Estatuto dos Militares); o Decreto nº 57.654, de 20 de janeiro de 1966 (Regulamento da Lei do Serviço Militar); o Decreto nº 1.294, de 26 de outubro de 1994; o Decreto nº 6.854, de 25 de maio de 2009 (Regulamento da Reserva da Aeronáutica); e a Portaria nº 44/GC3, de 26 de janeiro de 2010, do Comandante da Aeronáutica (Instrução Reguladora do Quadro de Oficiais da Reserva de 2ª Classe Convocados).

(divulgação – http://www.fab.mil.br)

LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

CONHEÇA especialistas que viveram mais da metade da história da FAB

UM VIU um anúncio no jornal. O outro ouviu um parente contar sobre a carreira. Em comum, eram jovens com idade na faixa dos 17 anos. Buscavam uma profissão e um futuro. Lá se vão mais de três décadas no serviço ativo, dedicados à Força Aérea Brasileira e ao Brasil. Juntos, viram nascer o atual sistema integrado de controle de tráfego aéreo e a defesa aérea. Desbravaram o interior do país e ajudaram a escrever, ao lado de tantos outros, mais da metade da história da instituição que completou 70 anos em janeiro.

“Sou grato pela carreira que escolhi. Realizado e reconhecido”, afirma o Tenente-Coronel Controlador de Tráfego Aéreo Jari Carlos da Silva (na foto à esquerda), o oficial especialista com mais tempo de serviço ativo da Força Aérea. São mais de 42 anos de trabalho. Uma histórica que começou em 1968 a partir de um anúncio no jornal O Dia, falando sobre um cursinho preparatório para a carreira. O estudante disputou uma das 550 vagas oferecidas naquele ano e, ao lado de 22 mil candidatos em todo o país, garantiu a oportunidade com a 17ª melhor nota do concurso.

Na Escola de Especialistas de Aeronáutica, optou e foi escolhido para o curso de Controlador de Voo, nome dado à época aos Controladores de Tráfego Aéreo. Era uma época em que o país tinha cobertura radar apenas nas regiões terminais de São Paulo e Rio de Janeiro. O controle do tráfego era feito de forma convencional, apoiado em comunicações por rádio. Os atuais Centros Integrados de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA) ainda não existiam.

De São Paulo, o então Terceiro-Sargento Jari seguiu para o Destacamento de Aeronáutica de Porto Nacional, hoje no Estado de Tocantins. Ali, conheceu a esposa, viu nascer o primeiro filho e a região central do país ser ocupada após a inauguração de Brasília. “Você não imagina o que era isso aqui naquela época. Era possível ver cobras atravessando a rua”, conta.

Nos anos 80, passou no concorrido concurso para oficial especialista e, como aspirante, foi trabalhar em Belém (PA). De lá, seguiu para o Serviço Regional de Proteção ao Voo de Brasília (SRPV), mais tarde absorvido pelo CINDACTA I. Hoje, o oficial trabalha na Subdivisão de Gerenciamento de Tráfego Aéreo do CINDACTA I, numa das regiões com maior volume de aeronaves no país.

“Valeu a pena. Tudo o que um graduado poderia atingir, eu consegui”, afirma o Suboficial Marcos Antonio Batista Coutinho (imagem à direita), que tem mais de 36 anos de serviço ativo na Força Aérea. O terceiro de cinco filhos, ouviu de um cunhado as primeiras informações da carreira. Na época, um cabo recém-aprovado para o curso de sargento da Escola de Especialistas de Aeronáutica.

Da primeira vez que prestou a prova, o Suboficial Coutinho  foi aprovado, disputando um das vagas oferecidas com mais de 20 mil candidatos de todo o país. “Comecei como radiotelegrafista de terra”, afirma. Na época, esse profissional era o responsável pelo trâmite de informações entre as unidades militares, cuidava ainda da confecção e difusão dos boletins meteorológicos, da transmissão dos planos de voo, dentre outras funções. Hoje, essas atividades são apoiadas por modernos equipamentos.

Da Escola de Especialistas, em 1976, o jovem militar seguiu para o Comando de Defesa Aérea (COMDA). Lá, viu nascer a atual estrutura de defesa do país e trabalhou ao lado de lendários “Dijon- Boys”, como ficaram conhecidos os militares que introduziram o primeiro caça supersônico da Força Aérea no país: o Mirage III.

Na carreira, o militar foi o primeiro graduado do recém-criado Destacamento da Chapada dos Guimarães, nos anos 80, e comandante do Destacamento de Cachimbo, no Pará, de onde saiu em 2005. O Suboficial Coutinho passou a ainda pela Adidância do Brasil na França e trabalha hoje em dia no Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), em Brasília. “Acredito que o momento mais feliz da minha carreira foi o reconhecimento com a indicação para missão no exterior”, afirma

(Fonte: Agência Força Aérea – http://www.fab.mil.br)

PENSAMENTO de hoje: “É INDISPENSÁVEL conhecermo-nos a nós próprios; mesmo se isso não bastasse para encontrarmos a verdade, seria útil, ao menos para regularmos a vida, e nada há de mais justo.” Blaise Pascal

LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

HOJE é dia do Especialista da Aeronáutica

Carreira de Especialistas da Aeronáutica completa 70 anos

AVIÃO, mecânico e piloto formam um triângulo profissional perfeito na aviação civil e militar. Juntos, cumprem a missão. O raciocínio ilustra a frase que abre o hino do Especialista de Aeronáutica e a importância dessa parceria: “Com os pilotos e asas, seremos um conjunto de todo eficaz”.

Os militares dessa área, hoje, não são apenas mecânicos. Formam um grupo com mais de 24 mil especialistas – um terço do contingente total da Força Aérea Brasileira (FAB) –, entre graduados e oficiais, distribuídos em 27 diferentes áreas de atuação.

Ordem do dia

A CHEGADA no Berço dos Especialistas

HÁ EXATAS sete décadas, em março de 1941, nascia a Escola de Especialistas de Aeronáutica, sediada na Ponta do Galeão, na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro, dentro do esforço do recém-criado Ministério da Aeronáutica de reorganizar a aviação brasileira. A nova escola foi criada para unificar a formação dos profissionais especialistas no país, após a extinção das Escolas de Aviação Naval (Marinha) e de Aviação Militar (Exército). Até então, cada Força tinha sua própria aviação.

O cenário da aviação no início dos anos 40 era precário: faltavam pilotos, aeronaves, pistas, equipamentos, mão-de-obra especializada, normas de segurança, indústrias e investimentos.

Nas palavras do primeiro Ministro da Aeronáutica, Joaquim Pedro Salgado Filho, os desafios eram muitos. “A aviação civil, na época, era mais voltada para a área esportiva em incipientes aeroclubes. Os pilotos comerciais recebiam treinamento dentro das próprias companhias que os empregavam.”

1977: Quando tudo começou

Os desafios não paravam por aí. Mesmo as escolas militares existentes apresentavam divergências quanto à formação. A Escola de Aviação do Exército, por exemplo, recebeu em seus primórdios o modelo da Missão Militar Francesa, a partir do final de Primeira Guerra (1918). Já a escola de Aviação Naval recebia orientação tanto da aviação inglesa quanto da aviação alemã. “Dar unidade à didática dessas duas escolas, tão diferentes em seus conceitos, era também outro desafio”, afirmou o ministro Salgado Filho.

NA QUINTA, boi ralado!

Em 1941, no primeiro concurso de admissão, apenas 34 candidatos passaram na prova, apesar das 200 vagas oferecidas. De lá para cá, a concorrência cresceu bastante, incentivada pela qualidade do ensino oferecido e pelas oportunidades da profissão militar: a relação candidato-vaga, em 2009, no Curso de Formação de Sargentos (CFS), chegou a 47,06 – mais do que o curso líder em concorrência na Universidade de São Paulo no mesmo ano (publicidade – 40,66).

1997: 20 anos depois

A entrada do Brasil na Segunda Guerra também foi decisiva para que o país ampliasse a frota de aeronaves, investisse na preparação de mão-de-obra qualificada, novos e modernos equipamentos. Nesse período, para ampliar a capacidade de formação de técnicos para a aviação, o Brasil enviou pessoal para escolas no exterior.

2001: vencendo nova batalha

Em 1950, o Ministério da Aeronáutica criou a Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR) em Guaratinguetá (SP), instalada na antiga Escola Prática de Agricultura e Pecuária. A unidade ocupa hoje uma área de 10 milhões de metros quadrados, com uma área construída superior a 119 mil metros quadrados, contendo 93 prédios administrativos e três vilas militares residenciais.

2003: Nova geração de especialistas

PENSAMENTO de hoje: “O QUE é verdadeiramente imoral é ter desistido de si mesmo.” Clarice Lispector

LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

PRESIDENTA conhece o CLBI

Foto: Marcelo Garrido/Agência Força Aérea

A PRESIDENTA Dilma Rousseff assistiu nesta tarde (07mar.2011) a uma apresentação sobre as atividades desempenhadas pelo Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), órgão de execução do Programa Espacial Brasileiro. Na apresentação, conheceu também aspectos sobre outras instalações do programa, além de pesquisas em andamento, como o Veículo Lançador de Satélites (VLS), que o Brasil deve lançar ao espaço nos próximos anos, do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA). A apresentação foi feita pelo diretor do Centro, Coronel Aviador Guilherme Silveira de Medeiros.

Em seguida, a presidenta Dilma participou da soltura de 100 filhotes de tartaruga-de-pente, na praia da Barreira do Inferno. A atividade faz parte de um convênio entre o CLBI e Projeto Tamar. Por ser uma área protegida, a praia da Barreira se tornou local essencial para essa espécie de tartaruga.

A presidente Dilma ficou hospedada no Hotel de Transito do CLBI.

(Fonte: Blog do Planalto/ Agência Força Aérea – http://www.fab.mil.br)

HOJE, 23 de março, é dia mundial da Meteorologia.

PENSAMENTO de hoje: “O MELHOR livro de moral é a nossa consciência. Temos que consultá-lo muito frequentemente.” Blaise Pascal

LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

FAB AJUDA PF a apreender narcóticos

Com ajuda da FAB, Polícia Federal apreende avião com 471 kg de narcóticos

A FORÇA Aérea Brasileira participou, em conjunto com a Polícia Federal, de uma operação que resultou na apreensão de uma aeronave que transportava 471 Kg de narcóticos e na prisão de cinco pessoas, na terça-feira (16), em Lucélia, no interior de São Paulo. Durante a operação, a aeronave suspeita foi detectada ingressando em território nacional, a partir do território paraguaio. A FAB participou da operação com aeronaves de caça e de controle e alarme em voo.

A aeronave Cessna, modelo 206, matrícula paraguaia ZP-TWT, que usava a matrícula falsa PT-CBY, foi monitorada e acompanhada pelo Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA). Por volta de 13h, a Polícia Federal foi informada sobre iminência do pouso em aeródromo localizado na cidade de Lucélia e adotou as medidas necessárias para averiguação. Durante a ação da polícia foram encontrados 291 quilos de maconha e 180 quilos de pasta base de cocaína.

(Fonte: CECOMSAER – http://www.fab.mil.br)

PENSAMENTO para hoje: “O SER, o ter e o fazer são como um triângulo, no qual cada lado serve de apoio para os demais. Não há conflito entre eles.” Shakti Gawain

Fiquem com o bom Deus e…

LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

AERONÁUTICA oferece 675 vagas para sargentos

do Portal da Força Aérea

Futuros sargentos da FAB

A PARTIR do dia 23 de março estarão abertas as inscrições para os exames de admissão ao Estágio de Adaptação à Graduação de Sargento (EAGS-B 2012) e ao Curso de Formação de Sargentos (CFS-B 2012). São 675 vagas distribuídas para o curso ou estágio em 31 especialidades. O candidato somente poderá fazer sua inscrição por meio da internet, no endereço www.eear.mil.br, até às 15h do dia 14 de abril (horário de Brasília). A taxa de inscrição para cada um dos processos seletivos é de R$ 60,00 e o salário inicial bruto após a conclusão do curso ou estágio é de R$ 2.993,76.

Para concorrer a uma vaga no Curso de Formação de Sargentos (CFS-B) o candidato deve possuir nível médio. O processo seletivo é constituído de exame de escolaridade (Língua Portuguesa, Língua Inglesa, Matemática e Física), inspeção de saúde, exame de aptidão psicológica, teste de avaliação do condicionamento físico e análise e conferência dos critérios exigidos e da documentação prevista para a matrícula no curso. O curso tem duração de dois anos.

JÁ OS candidatos ao Estágio de Adaptação à Graduação de Sargentos (EAGS-B) precisam comprovar, no ato da matrícula, que possuem ensino médio – para os candidatos à especialidade de música -, ou curso técnico (nível médio) – para os candidatos às demais especialidades. O exame de admissão é composto de exame de escolaridade (Língua Portuguesa) e de conhecimentos especializados (relativos à especialidade a que concorre o candidato); inspeção de saúde; exame de aptidão psicológica; teste de avaliação do condicionamento físico; prova prática da especialidade; e análise e conferência dos critérios exigidos e da documentação prevista para a matrícula. O estágio tem a duração aproximada de 21 semanas. O curso e estágio são ministrados pela Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR), em Guaratinguetá (SP). Mais informações no site www.fab.mil.br

Curso de Formação de Sargentos (CFS-B)
Prova: 12 de junho de 2011

A FORMATURA, 2 anos depois

ESPECIALIDADES
GRUPO I – (AMBOS OS SEXOS)
BEI – Eletricidade e Instrumentos
BEV – Equipamento de Voo
BMT – Meteorologia
BSP – Suprimento
SAI – Informações Aeronáuticas
SCF – Cartografia
SDE – Desenho
GRUPO II – (SOMENTE SEXO MASCULINO)
BCO – Comunicações
BEP – Estrutura e Pintura
BFT – Foto-Inteligência
BMA – Mecânica de Aeronaves
BMB – Material Bélico
SEM – Eletromecânica
SGS – Guarda e Segurança
SML – Metalurgia
CÓDIGO 03 – (AMBOS OS SEXOS)
BCT – Controle de Tráfego Aéreo
Total – 375 vagas

Estágio de Adaptação à Graduação de Sargentos (EAGS-B)
Prova: 05 de junho

ESPECIALIDADES E VAGAS
BET – Eletrônica 67
SAD – Administração 80
SEF – Enfermagem 11
SEL – Eletricidade 22
SIN – Sistemas de Informação 70
SLB – Laboratório 4
SMU 01 – Música – Flautim/Flauta 2
SMU 36 – Música – Trompete e Flugelhorn 4
SMU 51 – Música – Tuba e Sousafone 6
SMU 71 – Música – Lira e Teclado 4
SMU 72 – Música –Bateria / Caixa-Clara / Bombo / Pratos 2
SPV – Pavimentação 4
SRD – Radiologia 2
STP – Topografia 8
SOB – Obras 14
Total – 300 vagas

LOCALIDADES PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS
Belém – PA , Recife – PE, Fortaleza – CE, Salvador – BA, Rio de Janeiro – RJ, Belo Horizonte – MG, São Paulo – SP, São José dos Campos – SP, Campo Grande – MS, Porto Alegre – RS, Curitiba – PR, Brasília – DF e Manaus – AM.

(Fonte: Agência Força Aérea/DEPENS – http://www.fab.mil.br)

 

COMENTÁRIO do blogueiro:

NÃO perca esta oportunidade de ingressar nessa bela carreira, ao mesmo tempo servindo a seu país.

 

 

PENSAMENTO de hoje:

“PENSE como uma pessoa de ação e aja como uma pessoa que pensa.” Henri Louis Bergson

 

LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

DANILO Marques Moura!

(Continuação da postagem do dia 03mar.2011)
AMANHECEU. Estremunhado com a noite mal dormida, com fome, tomou seu rumo, que até aquele momento ignorava qual seria. Alcançou uma aldeia. Nela esperou, vagando quase todo o dia, e não foi encontrado. Achou os métodos ingleses bem falhos. Não eram tão bons assim. Se ele tivesse ao menos os endereços dos homens, ser encontrado seria muito mais fácil… O abacaxi era que eles não diziam e nem mesmo se conheciam. Ele tinha que esperar ser encontrado. Não o foi naquele dia, e nem muito menos no outro.
Decididamente, ele tinha que resolver, por si, o problema. Deixou aquela estrada principal e derivou rumo à frente de combate, ao encontro dos Apeninos. Chegou à tardinha a uma pequena cidade que não conhecia e nem tinha tempo para ver qual seria nos seus mapas de fuga. Com o estômago muito vazio, deu diversas voltas pela cidadezinha, e nada conseguiu. Ninguém o achava. Estava ficando desanimado, e com muita vontade de desistir, mas, ao mesmo tempo, sem coragem bastante para tal. Seria submetido a um interrogatório tremendo por parte do serviço de inteligência alemão e, se falasse, muita gente seria envolvida. Seria um desastre completo. Sua fome aumentava muito. Já não sabia ao certo o que fazer. Nessa condição de quase desespero, avistou uma senhora num segundo andar de um daqueles sobrados altos, muito comuns na Itália. A senhora fazia tricô tranquilamente na sacada do sobrado. Nada indicava que ela o ajudaria.

Continue lendo