ROBERTO Bolaños!

FAZ ALGUM tempo que virei fã de Roberto Gómez Bolaños. É óbvio que não é somente pelo “Chaves”, pois sua obra não se resume à clássica e repetitiva série. Em seu país é conhecido pelo apelido de “Chespirito”, um diminutivo de Shakespeare, por ser Bolaños baixinho e por escrever muito, comparável ao genial autor inglês. O cara é bom mesmo.

Em “Chaves”, interpreta o menino pobre, órfão, de mesmo nome. O nome original da série é “El Chavo del 8”, ou ‘O garoto do oito’; 8 era o canal de tevê que exibia o programa. Por questão de dublagem, no Brasil ficou “Chaves”. A grande sacada da série está – e isso nem todos observam – no foco aos problemas sociais, encarados com humor, talvez porque no México, como no Brasil, não há outra solução, a não ser encarar os problemas com uma boa dose de humor. 

Uma vila pobre com um órfão, um viúvo com sua filha (Seu Madruga e Chiquinha), uma viúva e seu filho (Dona Florinda e Quico), e uma senhora solteira (Dona Clotilde). Dona Florinda já esteve num nível social privilegiado, porém não se conforma com seu status social, daí constantemente agredir o Seu Madruga, referindo-se a “essa gentalha!”; alimenta esperanças em casar com o professor Girafales, um homem instruído, e assim poder retornar ao nível anterior de quando seu marido, pai de Quico, era vivo. Já Seu Madruga não tem trabalho formal, vivendo de expedientes; deve 14 meses de aluguel. Vive fugindo das insinuações de Dona Clotilde, a Bruxa do 71. Não há na vila nenhuma família tradicionalmente estruturada, tipo pai, mãe e filhos. Até o dono da vila, Seu Barriga, jamais apareceu com a esposa e sim com seu filho, Nhonho.

Como todo gênio tem a sua excentricidade, Roberto Bolaños, não foge à regra. Todos os personagens que interpreta têm nome começando por CH, em homenagem a Chespirito: Chaves, Chapolim Colorado, Chaparrón Bonaparte, Dr. Chapatim, Chômpiras…  

No seriado Chespirito, no Brasil, exibido pela CNT Gazeta, interpreta Chômpiras, um sujeito pouco inteligente, que é companheiro do Botijão (Edgar Vivar, o Seu Barriga). Ambos já tiveram complicações com a Lei, porém deixam claro que hoje estão regenerados, vivendo como cidadãos honrados. O seriado foi feito exatamente para que brilhe Chimoltrúfia, a esposa do Botijão, magistralmente interpretada por Florinda Meza, que na vida real é esposa de Roberto.

Engana-se quem acha que o seriado no Brasil só encontra simpatizantes no público infantil. Os adultos também gostam de Chaves, razão pela qual o SBT vêm exibindo o seriado às 7 da noite. Uma das razões, se não a principal, é o fato de o brasileiro se identificar com as questões enfocadas, pois México e Brasil têm basicamente os mesmos problemas sociais, creio que no país norte-americano um pouco mais agravados pela proximidade com o gigante vizinho do Norte. 

 

Não contavam com a minha astúcia? Sigam-me os bons!

LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!