LIBERDADE é uma calça velha!

LIBERDADE é uma calça velha azul e desbotada que você pode usar do jeito que quiser…

 

Quem de nós, na faixa dos 40 em diante, não ouviu essa música? Quem ainda lembra? Pois é, essa era uma das minhas prediletas, daquelas que a gente lembra até hoje. A tevê daquela época apresentava também, entre tantas lembranças boas, outras legais como aquele comercial em desenho da Varig no período de natal: …Papai noel voando a jato pelo céu, trazendo um natal de felicidade, e um ano novo cheio de prosperidade. Varig, Varig, Varig! A Varig, é verdade, faliu, mas a música ficou na nossa mente. Outro que faliu foi o Bamerindus, mas do rádio eu lembro da propaganda: O tempo passa, o tempo voa, e poupança Bamerindus continua numa boa…

As coisas de qualidade eram as importadas, e calça era lee – só um pouco depois veio a US Top da música -; óculos tinha de ser Rayban e toca-fitas (quem não lembra dessa velharia?) bom era só Road-Star; relógio de qualidade era da marca Seiko. O resto não tava com nada.

O vídeo acima é a abertura de Daniel Boone. Eu não perdia um. Até hoje lembro de Mingo (Ed Ames), o índio amigo de Daniel Boone, que dava nome à série, vivido por Fess Parker. E ainda co-estrelava Patricia Blair, que na série era a esposa de Boone.

 

O dublador era um show à parte, com a sua voz inigualável. Só agora, bem mais tarde, na vigência da internet que fui saber o autor daquela voz: Carlos Alberto Vaccari, já falecido, foi nosso colega de farda; talvez tenha sido, pela qualidade excepcional do vocal, um controlador de vôo. Respeitando outros dubladores como Orlando Drumond,  o seu Peru da Escolinha do Professor Raimundo, e Borges de Barros, o mendigo rico da antiga Praça da Alegria, além de muitos outros, feras,  a voz de Vaccari, para mim, não foi até hoje superada nesse trabalho. Era dele também a voz  impagável de Mingo.

“Versão brasileira: AIC São Paulo”. Essa era a apresentação da empresa que dublava a série para o Brasil, hoje já extinta. Essa fala não aparece no vídeo acima.

Enfim, apresento nesta postagem a todos – principalmente os da minha faixa etária ou mais – mais uma SESSÃO NOSTALGIA. Tempos bons!

“O homem é feito de tal modo que quando alguma coisa incendeia a sua alma, as impossibilidades desaparecem.” Jean de La Fontaine

 

LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!