NESTA data querida!

Um homem é feliz de verdade quando vê seu semelhante feliz

E NO CASO de um pai, este se dá por feliz quando vê seus filhos felizes. Então, hoje, já recebi o meu presente de aniversário: ver que meus filhos estão felizes.

A vida me ensinou que a gente deve se pôr do outro lado do balcão e pensar no outro. Como ele vive, como ele se sente, quais são suas perspectivas… Então, me incomoda ao ver meu semelhante infeliz ou em dificuldades; por outro lado, sinto-me feliz ao ver bem o meu irmão. É a prática do amor preconizado pelo Divino Mestre, Nosso Senhor Jesus Cristo!

Hoje, agradeço primeiramente ao bom Deus por me permitir chegar ao 57º novembro de minha existência. Agradeço ao Pai por isso e por gozar de saúde e, principalmente, reconciliado com Ele, que nunca me desamparou em momento algum de minha vida.

Mas também devo agradecer a todos os amigos, colegas, de aqui — Dois Vizinhos, Paraná, onde fixei raízes –, e igualmente de todos os recantos do Brasil (e também de outros países), que, por meio das redes sociais, telefone, ou mesmo pessoalmente, vêm se manifestando e me passando mensagens de um “Feliz aniversário”.

E foram muitos. Sinto-me abraçado por todos vocês, meus queridos amigos. Muito obrigado a todos, meus irmãos!

 

Minha felicidade maior, entretanto, foi receber um beijo de minha amada Bernardete, acompanhado de um “feliz aniversário”. Igualmente sou feliz ao acompanhar, mesmo que seja por fotografia e imagens, meus netos Raphaël, filho da Cris e do Stépanhe; a Chloé, filha da Fernanda e do Olivier, que ora residem na Suíça; e também do mais novo neto, o pequeno Lucas, filho da Aline Christina, cidadãos norte-americanos. Todos multirraciais, com o meu sangue negro, índio e branco, que circula pelo mundo.

Ainda abraço e recebo o carinho de minha caçula Alice Maria.

 

No todo, este ano de 2017, vem repleto de bênçãos.

 

A vida sempre vale a pena!

Obrigado, Senhor! Obrigado, meu Deus!