O LEÃO e a hiena!

Reprodução: internet

 

UMA DAS diversões da minha infância era assistir pela televisão aquelas séries de desenhos animados, inesquecíveis para um quase cinquentão como eu. Um de meus preferidos era um leão e uma hiena. Lippy era o leão, e Hardy, a hiena. Detalhe: Hardy era uma hiena que nunca ria, uma hiena pessimista. Viviam na cidade, sempre famintos. Lippy e Hardy, como é normal nos desenhos animados, desde as fábulas de Jean De La Fontaine, eram animais antropomórficos, ou seja, andavam como gente, falavam como gente, enfim agiam como gente. E, igual a maioria (dos humanos), viviam na cidade, para onde migraram, naturalmente expulsos pelo homem de seu habitat: a selva.

Os bichos personificavam o comportamento humano, sendo no fundo uma crítica à sociedade humana, principalmente a americana e seu ‘American Way of Life’, que copiamos por aqui no hemisfério sul. Lippy, um eterno otimista; Hardy, sempre pessimista – ou realista, conforme a ótica de cada um. Seu bordão predileto era assim: ‘oh dia, oh vida, oh azar’, ou então ‘nunca sairemos daqui com vida’, ou ainda ‘morreremos de fome’. Ao passo que Lippy sempre tentava confortá-lo, dizendo: ‘sossegue, Hardy, logo encontraremos comida’. Às vezes completava: ‘nem que tenhamos de fazer uma coisa horrível: trabalhar’.

Há no contexto outras facetas, somente visíveis a olhos adultos, mais experimentados, o que não era o nosso caso, que somente estávamos à procura de diversão ingênua, indiferentes aos problemas dos adultos. No seu íntimo, os autores, ainda que inconscientemente, queriam mostrar uma questão, que naquela época sequer era mencionada: a ecologia. Ecologia, naquela década, já distante, uma coisa impensável – não era moda –, quando o assunto maior era a guerra do Vietnã, e ainda os movimentos pacifistas ‘paz e amor’ dos hippies. Claro, a ideia reinante de progresso era derrubar árvores e construir estradas e prédios. Campos e selvas eram coisas inesgotáveis, para que se preocupar com isso?

Reprodução: Internet

Pela moral da série de desenho animado, com a invasão das matas pelo predador bicho-homem, os bichos (presas) tinham de buscar comida, já tão escassa, e com isso acabavam por invadir as cidades, arriscando-se, e o resultado era uma série interminável de perseguições e situações difíceis, vivenciadas pelos nossos heróis, Lippy, o leão, e Hardy, a hiena, que ao final sempre sobreviviam. E hoje ainda é comum nas estradas vermos raposas, tatus ou camaleões esmagados pelas rodas dos caminhões e automóveis.

Emblemática, e igualmente invisível aos nossos olhos infantis, era a simbologia ali embutida naqueles dois animais. De um lado, um leão, forte, imponente – ainda que, por estar como um peixe fora d’água, vivesse em condição humilhante na cidade –, significando comportamentos positivos como a força, a temperança, a altivez, a persistência, virtudes louvadas no ser humano. Em contraponto, a hiena, animal necrófago, repugnante, covarde, aproveitador que se alimenta dos restos deixados pelo leão e outros animais selvagens. Na sociedade ocorre a mesma coisa, convivendo pessoas dos mais diversos tipos de conduta, vícios e virtudes. A hiena evidenciando a fraqueza moral, incluindo aí a apatia e o pessimismo, comportamentos tão comuns no bicho-homem. Na selva de pedra, a exemplo da hiena, o homem, em significativa parcela, de certa forma também se alimenta de restos, restos que ele mesmo produz. Aproveita-se da força de trabalho alheia, explorando maquiavelicamente o seu semelhante. Alguma dúvida até aqui? O que dizer da criança pedindo esmola nos semáforos, cena degradante tão comum nas cidades grandes? O que dizer da prostituição infantil e das propagandas de bebidas, que mostram sorrisos e rostos e corpos bonitos? De certa forma, a sociedade acaba sobrevivendo dos restos.

De outro lado, a realidade comportamental dessas duas espécies apresenta-nos uma outra faceta: o comodismo. Sim, porque o leão na realidade é um bicho preguiçoso, explorador, acomodado com a fama de rei dos animais. Vive da força de trabalho da fêmea, encarregada de caçar e de lhe servir a melhor parte, para somente depois disso, servir a si mesma e aos filhotes. O comportamento de muitos humanos nesta selva de pedra também se assemelha ao do rei dos animais. O trabalho, para muitos, é apenas um castigo, como ficava patente na expressão de Lippy: ‘nem que tenhamos de fazer algo horrível: trabalhar’.

Mas, voltando às fantasias de nossa infância, era tudo diversão e, nós, na nossa meninice ingênua, porém feliz, não tínhamos olhos para enxergar esses problemas que não eram nossos, e que os adultos da época ainda não conseguiam ver. Meio ambiente agredido era uma coisa tão distante naquela época, ainda que o leão e a hiena, seres díspares, já estivessem na cidade em busca de alimento, igualmente ao homem do campo na cidade, perdido, em busca da sobrevivência. Tempos bons, que não voltam mais, como dizia o Lilico.

Agora, com licença, vou tomar um cafezinho.

 

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

(republicado deste blogue)

DEIXE um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s