Categorias
Uncategorized

PELÉ insuperável!

Cheguei na esperança de parar um grande homem, mas eu fui embora convencido de que eu tinha sido desfeito por alguém que não nasceu no mesmo planeta como o resto de nós.” Alberto Pereira, goleiro do Benfica, após a derrota de 5 a 2 para o Santos em 11out1962.

***

A DATA de 23 de outubro remete a dois grandes brasileiros. Em 1906, Alberto Santos-Dumont maravilha a multidão que se aglomerava nas proximidades da torre Eiffel ao fazer voar, pela primeira vez na história da humanidade, por meios próprios um objeto mais pesado que o ar. Graças ao gênio inventivo do brasileiro estava inventado o avião, meio de transporte que tornou o mundo mais pequeno ao aproximar as pessoas.

Em 23 de outubro de 1906, o gênio inventivo do brasileiro Alberto Santos-Dumont lega à humanidade a possibilidade de voar num objeto mais pesado que o ar, tornando as distâncias mais próximas e os povos mais unidos (fonte: Google)

Nessa mesma data, 34 anos depois, nasce em Três Corações, Minas Gerais, aquele que viria a ser o maior futebolista de todos os tempos; nasce um afro-brasileiro que seria mais tarde aclamado como o Rei do Futebol; o único futebolista a parar uma guerra. Em 23 de outubro de 1940, chega ao mundo o menino Edson Arantes do Nascimento, filho do senhor João Ramos do Nascimento, o Dondinho, e de dona Celeste Arantes, que mais tarde o mundo viria a chamar simplesmente de Pelé.

Em 23 de outubro de 1940, nasce Edson Arantes do Nascimento, ou simplesmente Pelé. Nesta imagem, o instrumento musical atrás de Pelé dá a impressão de uma aura que santifica o mito. Na verdade, apenas rara felicidade do fotógrafo (fonte: Google)

Diferente de outros povos, o brasileiro pouco valoriza seus verdadeiros heróis. Infelizmente nosso povo não tem memória, ou, no máximo, possui memória seletiva. Santos-Dumont, por exemplo, teve que migrar para a França por saber que na Europa encontraria as condições ideais, que aqui no Brasil, sua pátria, não teria para legar à humanidade o engenho que criou. Seria, ademais, incompreendido.

Nesta imagem a transpiração de Pelé forma uma imagem semelhante a um coração. Outro feliz flagrante fotográfico (fonte: Google)

Pelé, em pouco mais de dois decênio em que praticou futebol de excelência, foi bastante homenageado e reconhecido tanto aqui no Brasil como no exterior. Reis, rainhas e presidentes reverenciaram o Rei do Futebol, o mais fabuloso futebolista que o mundo jamais conheceu. Pelé, com seu futebol magistral, levou o nome do Brasil ao planeta inteiro, elevando sobremaneira a autoestima de nossa gente.

O Brasil era Pelé e Pelé era o Brasil.

Em 28jun1975, nos jardins da Casa Branca, Pelé é recepcionado pelo presidente Gerald Ford, que, nesta imagem, brinca com a bola (fonte: Google)

Todavia, o tempo é implacável até mesmo com os gênios. À medida que se vão os anos e décadas, o povo brasileiro vai se esquecendo de Pelé e de tudo o que ele fez e representou. Hoje, para as gerações mais jovens, ele é considerado apenas mais um ex-futebolista, que — dizem os mais velhos — brilhou faz muito tempo.

É preciso dar o real valor que esse grande brasileiro fez por merecer.

Diante da grandeza de Pelé, nomes contemporâneos como Ronaldo Nazário, Romário, Neymar, Ronaldo Gaúcho, Kaká, Cristiano Ronaldo e Leonel Messi, entre tantos outros, foram (são) apenas bons jogadores. No mar de mediocridade e de muito dinheiro em que se transformou o esporte bretão, alguns acabam por se destacar dos demais, já que as grandes mídias transformam qualquer futebolista razoável em ídolo das massas, a peso de salários altíssimos.

E se Pelé tivesse nascido em outro país?

Se Pelé fosse argentino, teria uma estátua em cada cidade, haveria no país centenas de ruas, avenidas e praças com o seu nome; o busto de Pelé também se faria presente por muitos lugares; o nome de Pelé estaria eternizado em escolas e praças esportivas distribuídas pelo país; Pelé seria marca de artigos esportivos. Semelhantes homenagens faria jus se Pelé tivesse nascido norte-americano ou europeu.

Mas no Brasil, um país de dimensões continentais, as homenagens são raras. Precisamos mostrar quem foi Pelé e o que ele significa para o país enquanto ainda está entre nós. Depois de morto certamente será, por um tempo escasso, lembrado, mas — sabemos — com intenções meramente capitalistas. Os telejornais dedicarão um programa inteiro a reviver seus lances e gols, a narrar a sua história… Filmes sobre Pelé serão relançados, livros falando sobre sua vida serão reeditados, fotos do Rei vão ser largamente difundidas, todas as mídias relembrarão seus feitos. O governo decretará luto oficial.

De que adiantaria isso? Depois de uma semana, ninguém mais lembraria de de Pelé, tampouco de Edson Arantes do Nascimento.

Pelé recebe a taça das mãos da Rainha Elizabeth II (fonte: Google)

Tornou-se corriqueiro hoje muitos tentarem diminuir o nome de Pelé, apanhado às vezes em declarações eventuais — por vezes equivocadas, é bom dizer — quando é chamado a opinar sobre este ou aquele assunto, a respeito de futebol ou não. Em suas declarações vivem a procurar uma polêmica aqui e ali. O mesmo comportamento ocorre em relação à sua vida privada em que se esforçam por expor seus erros do passado.

Não tentemos reduzir Pelé ao acerto ou erro de suas declarações, nem a aspectos poucos lisonjeiros de sua vida particular. Guardemos a sua imagem como o futebolista incomparável que foi. Julguemo-lo pelo gênio inigualável que Deus lhe concedeu.

Um pouco de sua história incomum.

Ironicamente, o apelido Pelé, o maior goleador de todos os tempos, remete a um goleiro, posição cujo objetivo é evitar que gols sejam feitos.

“Pega essa, Belé!” “Pega mais essa, Belé!”

Bilé, goleiro vascaíno, cujas atuações o menino Edson acompanhava pelas ondas da Rádio Nacional, era um dos ídolos daquele garoto de Bauru, cidade para onde sua família migrou poucos anos depois de seu nascimento. Edson pronunciava a seu modo o nome do goleiro do Vasco da Gama, marcante em sua infância. Bilé então se transformou em Pelé, nome pelo qual o jovem Edson — também Dico e Gasolina — viria a ser conhecido pelo mundo inteiro.

João Ramos do Nascimento, seu pai, que fora centroavante Dondinho, do Atlético de Três Corações, e que teve rápida passagem pelo Atlético Mineiro, ao ver a destreza do filho chutando uma bola de meia ou uma laranja, incentiva o menino Edson a jogar futebol, ensinando-lhe algumas técnicas. Pelé passou pelo futebol de salão (é futsal que chamam hoje esse esporte) jogando pelo Radium, de Mococa. Logo depois, já em campo, vem a atuar pelas categorias de base do Bauru Atlético Clube, clube onde o próprio Dondinho foi jogador.

Em 1956, o treinador do Bauru é Waldemar de Brito, ex-centroavante que jogara por clubes como Botafogo, Flamengo, Palmeiras e San Lorenzo. Brito, com seu olhar clínico, logo observa o futebol daquele jovem, levando-o para o Santos Futebol Clube.

João Ramos do Nascimento, o futebolista Dondinho, com a camisa do Atlético Mineiro. O pai de Pelé foi jogador também pelo Fluminense e pelo Bauru Atlético Clube. (fonte: Google)

Brito, ao apresentar o jovem Pelé aos diretores do Santos, faz o seguinte vaticínio:

“Este será o maior jogador do mundo”.

Sábias palavras.

Pelé, com apenas quinze anos de idade, estreia em 7 de setembro desse ano num amistoso em que o Santos goleia o Corinthians de Santo André por 7 a 1. Pelé faz seu primeiro gol como profissional, inaugurando a mais bem sucedida carreira que um futebolista jamais teve. Esse foi o seu primeiro de um total de 1.282 tentos, uma marca inigualada.

Pelé, aos 15 anos, estreia pelo Santos F. C.

Conta Pelé que o período em que passou pelo futebol de salão o ajudou, pois o esporte exige raciocínio rápido já que os espaços são curtos e as jogadas devem ser executadas com celeridade, talentos inatos que foram aí aperfeiçoados pelo jovem atleta.

Mas isso não é tudo.

Além do talento inato, herdado de Dondinho, foi necessário que outras condições houvessem se reunido em Pelé. O fato de seu futebol ter sido descoberto e levado por Waldemar de Brito ao Santos é uma delas. Permanecendo em Bauru, dificilmente seria notado, correndo o risco de sua carreira inexistir ou, na melhor das hipóteses, retardar-se a ponto de ser prejudicada irremediavelmente. Nessa hipótese, como qualquer jovem de família pobre Edson seguiria outra ocupação humilde e o mundo não teria conhecido Pelé.

Estava no momento certo e no lugar exato. Essa é uma das exigências para que tudo dê certo em qualquer atividade da vida.

Foi assim com Santos-Dumont, com Chaplin, Oscar Niemeyer e outras figuras geniais. Pelé iniciou sua vida profissional numa época em que o rádio já se mostrava bem desenvolvido e popular, diferente de Dondinho, em cuja época as comunicações eram precárias. Soma-se a isso o fato de Pelé ter sido detentor de uma condição física invejável, além de ter sido um profissional aplicado, cuidando sempre de sua forma física e treinando de forma intensa. Pelé, além de craque de bola, logo torna-se um atleta.

Waldemar de Brito, aqui com a camisa do San Lorenzo (Buenos Aires, Argentina). Ao pendurar as chuteiras, torna-se treinador de futebol. Foi treinando o Bauru Atlético Clube, que Brito descobre o jovem Dico, levando-o ao Santos.

O Santos Futebol Clube ajudou Pelé, e Pelé ajudou o Santos. Sem Pelé, o Santos provavelmente teria sido apenas um clube de segunda linha, à semelhança de seus conterrâneos Portuguesa Santista e Jabaquara Atlético Clube, que estagnaram. Na era Pelé, o Santos passa rivalizar em condições de igualdade com Corinthians, Palmeiras, São Paulo, em nível estadual. Em nível nacional, equipara-se a grandes equipes como Botafogo, Flamengo, Fluminense, Vasco da Gama, Atlético Mineiro, Cruzeiro, Grêmio e Internacional, chegando a desbancar grandes potências como Benfica e Milan na década de 1960.

Aos dezesseis anos, Pelé é convocado para a seleção brasileira e, no ano seguinte, com apenas 17 anos é campeão mundial, feito que viria a conquistar por mais duas vezes, feito inigualado até agora. Pelé foi seguidamente artilheiro do campeonato paulista por nove anos, entre 1957 e 1965, além de ter sido, no período, também artilheiro nas outras competições em que participou.

Pelé tinha apenas 21 anos e dez meses quando marcou seu gol de número 500. O milésimo veio aos 34 minutos do segundo tempo naquele jogo memorável entre Vasco da Gama e Santos. Na noite de 19 de novembro de 1969, no estádio Mário Filho, o Maracanã (então o maior palco esportivo do mundo) 65.157 pessoas pagantes testemunharam Pelé marcar o milésimo gol de sua carreira, que era o segundo naquele Santos 2, Vasco 1.

Conta Sylvio Ruiz:

… Houve invasão de repórteres, fotógrafos. Eram profissionais de todo Brasil e do exterior, imprensa estava lá, rádios de todo Brasil, como do exterior. Dificilmente será igualado na história do futebol. E improvisando, Pelé fez um apelo em favor das criancinhas pobres e dos necessitados no Brasil. Isto logo após o gol. E, lá foi o moço de Bauru (Três Corações), o filho de Dondinho (já faleceu), dona Celeste para o momento tão divino, o máximo: o gol, do “Rei”, e marcado no segundo tempo, mas é bom lembrar que no primeiro período dava Vasco 1 a 0, gol de Benneti, aos 16 minutos: cruzou o lateral Fidélis para o aproveitamento de Benetti. Aguinaldo (goleiro, falhou). O capitão Carlos Alberto Torres, deu “força” ao goleiro. O lateral Rildo apoiava o camisa 1. Não podia perder o entusiasmo. Havia uma corrente forte,o coração estava na ponta das chuteiras. A raça era uma coisa só. Emocionante.  O Vasco ficava nervoso, o “Peixe” apertava. Mas aos 34, eis o gol número 1.000 esperado por toda torcida brasileira. Clodoaldo passou por Eberval, entrou na área; na cobertura estavam Fernando e Renê, e um lance, alavanca faltosa de Fernando: Pênalti!. PELÉ foi lá, e “faturou” no canto raso, na esquerda de Andrada. E, após a explosão de policiais, cronistas, torcedores que invadiram o gramado, eis que ele pede: “Antoninho não dá mais, vou sair”…O Edson chorou muito, foi emocionante.” (fonte: Santaportal.com.br)

Pelé vai pegar a bola que se acomodou no canto esquerdo nas redes do argentino Andrada. (fonte: Google)
Em momento apoteótico, uma multidão de repórteres, fotógrafos e cinegrafistas cercam Pelé, que, emocionado, agradece a Deus e ao público presente. O Rei pede pelas crianças pobres, para que as autoridades cuidem delas (fonte: Google)
Pelé ostenta um de seus muitos recursos futebolísticos num lance que é conhecido por “bicicleta”. Pelé usou de todos os recursos proporcionados pelo futebol, sendo hábil em todos os fundamentos (fonte: Google)

Pelé foi um jogador completo. Driblava com inigualável destreza, praticava bom passe, cabeceava firmemente, chutava forte com ambos os pés, batia faltas e penais como ninguém. Pelé fazia gols de todos os tipos: de cabeça, de bicicleta (foto acima), batendo faltas com maestria, gols feios e bonitos. Versátil, jogava em todas as posições. Sim, Pelé jogou até como goleiro, e isso ocorreu em quatro ocasiões.

Pelé atua pelo goleiro pela primeira vez. Foi a 4 de novembro de 1959, substituindo o goleiro titular Lalá, que sofrera lesão. Naquele tempo, não era permitido substituições. Pelé jogou como goleiro a partir dos 19 minutos do segundo tempo, não sofrendo gol. Nessa partida, contra o Comercial F.C., de São Paulo (time já extinto), o Santos venceu por 4 a 2. Pelé atuaria também no gol em ainda três partidas. (fonte: página do Santos F.C.)

Depois de quase duas décadas de um futebol profissional invejável e inigualável até agora, o grande Pelé despede-se dos gramados em 2 de outubro de 1974 numa partida em que o Santos venceu a Ponte Preta por dois tentos a zero. Assinalou pelo time santista 1.091 tentos de um total de 1.282. Jogou pelo time santista 1.116 vezes.

Pelé despede-se dos gramados. Despedia-se apenas do Santos, clube que o projetou para o mundo, onde marcou 1.091 tentos em 1.116 jogos. (fonte: página do Santos F.C.)

Aos 21 minutos do primeiro tempo, o treinador santista promove a substituição de Pelé por Gilson Beija-flor. Pelé então, com os olhos marejados, ajoelha-se agradecendo ao bom Deus por tê-lo dotado desse dom genial, além de ter-lhe dado todas as condições para sagrar-se a figura pública que se tornou, levando o nome do Brasil ao mundo. Dá a volta olímpica acenando emocionado para a multidão que lá se encontrava.

Pelé e sua esposa são recebidos pelo presidente Richard Nixon. Portas de reis, rainhas e presidentes eram abertas para receber o Rei do Futebol. (fonte: Google)

Pelé pensou que seria a sua despedida definitiva do futebol. Enganava-se. Em 1975, atendendo a apelos do governo norte-americano, voltaria a atuar profissionalmente pelo New York Cosmos, sendo este seu segundo clube profissional. Foi para a América do Norte para ensinar os estadunidenses a jogar futebol association. De lá despediu-se, desta vez para sempre da bola e dos gramados, em 1º de outubro de 1977.

Pelé envergando o uniforme do N. Y. Cosmos (fonte: Google)

Dondinho passa a bola para Edson, que passa para Pelé, passando de passagem por Bauru e de Bauru para Santos. Do Santos para o Brasil e o mundo e…

gooooooooooooooolll!!

Um pouco mais sobre Pelé se pode ver neste vídeo.

Obrigado, Senhor Deus! Obrigado, por ter nos dado Pelé, fazendo dele — um menino afro-brasileiro num país em que o negro é considerado gente de terceira categoria — um rei, o Rei do Futebol.

L.s.N.S.J.C.!

Por Valentim

Azulino (torcedor do Clube do Remo, Belém). Paraense radicado no Paraná; construtor de pontes e demolidor de muros! Passeia também pelo YouTube, no canal BLOGUEdoValentim! L.s.N.S.J.C.!

DEIXE um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s